. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

Não sou membro

Por tradição,

Alcoólicos Anônimos não aceita contribuições daqueles que não são membros.

Dentre as assim chamadas Doze Tradições de A.A. – princípios pelos quais nos organizamos como sociedade de alcoólicos em ação –, a Sétima Tradição sugere que “Todos os grupos de A.A. deverão ser totalmente autossuficientes, rejeitando quaisquer doações de fora”. Isto é, nossos grupos “devem ser inteiramente autofinanciados pelas contribuições voluntárias [e anônimas] de seus membros. Acreditamos que cada grupo deve atingir, em pouco tempo, esse ideal; que qualquer solicitação de fundos usando-se o nome de A.A. é altamente perigosa (...). A experiência tem nos demonstrado, frequentemente, que nada pode destruir nosso patrimônio espiritual com tanta certeza, como discussões fúteis sobre propriedade, dinheiro e autoridade”.

As Tradições foram formalmente expressas onze anos após o início do movimento que gerou A.A. Ou seja, entre 1935 e 1946, os primeiros grupos buscaram doações externas e sofreram com disputas internas envolvendo dinheiro e autoridade. A certa altura, ninguém menos que John D. Rockfeller – antigo magnata norte americano – aconselhou nossos pioneiros a serem prudentes em matéria de finanças. O conselho foi acatado e chegamos até aqui unidos, praticamente isentos de problemas graves nesse campo tão problemático.

A Sétima Tradição é praticada até hoje, não só pelos grupos, mas pela Irmandade como um todo, em todos os países nos quais nos estabelecemos. É plena de significados, implicações e desdobramentos.

Obviamente precisamos de algum dinheiro, mas, protegendo-nos do acúmulo de dinheiro e de fontes externas, temos obtido o necessário, entre nós mesmos, para tudo quanto desejamos e decidimos coletivamente realizar; evitamos ingerências externas que poderiam, com o tempo, desviar-nos de nosso propósito primordial; e evitamos disputas internas por poder e prestígio, além do fenômeno da corrupção.

Ainda, mantendo cada contribuição – de membros ou grupos – em um valor modesto (em alguns países é sugerido um teto), não nos tornamos ricos a um ponto perigoso. De fato, desde o surgimento de A.A., não tivemos grandes excedentes de contribuições sobre as despesas operacionais legítimas, as quais incluem, basicamente: a literatura oficial de A.A., revistas nacionais e nossos escritórios de serviços.