. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

O Primeiro Encontro de Bill W e Dr. Bob

Sóbrio havia cinco meses, Bill W. foi enviado pela corretora onde trabalhava para negociar o controle acionário de uma pequena fábrica de ferramentas, da qual poderia se tornar presidente, na cidade de Akron, Ohio. O negócio fracassou e de volta ao Hotel Mayflower, onde se hospedava, teve vontade de beber; porém, considerou que, se conseguisse falar com outro alcoólico, poderia manter a sobriedade. Era um sábado 11 de maio de 1935. No saguão do hotel havia um diretório de Igrejas; colocou seu dedo num nome e telefonou para o Rev. Walter Tunks que lhe deu uma lista com dez nomes de pessoas da comunidade com quem poderia fazer contato.

Só na décima ligação teve sucesso: Norman Shephard dá o nº de telefone de Henrietta Seiberling (1888–1979), que descreve o telefonema: “Era Bill Wilson, e nunca esquecerei o que ele disse: ‘sou do Grupo de Oxford, e sou um sabujo (cão de caça), de bebida alcoólica que vive em Nova York’. Henrietta que estava desesperada para ajudar Bob de algum jeito e não sabia nada sobre o assunto pensou: “Isso é mesmo como maná caído dos céus. ‘Venha já para cá’ Ele veio e ficou para o jantar. Pedi-lhe que me acompanhasse até a igreja na manhã seguinte e contataria Bob. Foi o que fiz”. E se propôs a marcar um encontro com o médico cirurgião Robert Holbrook Smith (Dr. Bob) (1879-1950) – também membro do Grupo de Oxford de Akron havia dois anos e meio - um beberrão cético, já beirando o desprestigio profissional.

O encontro aconteceu no dia seguinte, domingo 12 de maio de 1935 - Dia das Mães - com a condição imposta pelo Dr. Bob de não durar mais de quinze minutos. “Chegamos lá – na casa de Henrietta- às 17h00, e eram 23h15 quando saímos”, contou depois o próprio Dr. Bob, que compareceu acompanhado por sua mulher Anne. Os dois ficaram a sós e Bill fala de sua experiência alcoólica, o sofrimento, as promessas, os fracassos, da visita de Ebby e sua mensagem simples: um alcoólico falando com outro alcoólico; porém, foi citando o Dr. William Duncan Silkworth (1873-1951) ao identificar aquela condição dos dois como uma doença caracterizada por uma obsessão mental seguida de uma alergia física, que o Dr. Bob subitamente compreendeu o que lhe afligia; como médico, nunca tinha pensado nessa possibilidade. Era um leigo falando com um homem da saúde e com aquilo que depois viríamos a entender como a linguagem do coração. Passadas mais de cinco horas de compartilhamento e reciprocidade produziu-se a identificação necessária entre dois alcoólicos que falando de si próprios, um para o outro, conseguem manter-se afastados da bebida, e este gesto ampara toda a proposta de A.A. para seus membros enquanto Ele precisar de nós.

Para a posteridade, um disse do outro:

“Bill foi o primeiro ser humano vivo com quem eu já tinha falado que, inteligentemente, discutiu meu problema a partir de uma experiência real. Ele falou a minha língua”. Dr. Bob.

“Bob foi a rocha sobre a qual A.A. foi fundada. Sob seu apadrinhamento, com um pequeno apoio meu, o primeiro Grupo de A.A. no mundo nasceu em Akron, em junho de 1935”. Bill W.


Junta de Serviços Gerais de A.A. do Brasil
CAHist - Comitê de Arquivos Histórico

Direitos autorais de Alcoholics Anonymous World Services, Inc.; publicado com permissão

Literatura Digital em eBook