. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

O grupo de oxford: precursor de A.A.

Box 4-5-9, Fev. Mar. / 1987 (pág. 6-7) =>https://www.aa.org/newsletters/es_ES/sp_box459_feb-mar87.pdf
Título original: “El Grupo Oxford, Precursor de A.A.”.
 

Um piloto o descreveu como “uma maravilha que transforma pessoas em seres humanos”. Um jornalista escreveu: “Não é uma instituição nem uma opinião; incentiva a revolução do próprio ser”. Falaram do Grupo de Oxford, o principal precursor de A.A.

O fundador, ou “Iniciador” como se classificou a si próprio, era um homem alto, trajado impecavelmente, caráter reservado, expressão grave; a muitas pessoas parecia-lhes um profeta improvável.

Nascido na Pensilvânia em 1889, Frank Buchman iniciou ali sua carreira como ministro luterano. Depois de uma série de desilusões pessoais, tornou-se um “transformador de homens” e iniciou o Grupo de Oxford entre os anos 1916 1920. O Grupo estabeleceu normas éticas muito elevadas para seus membros, incentivando-os a que aspirassem aos quatro absolutos: sinceridade absoluta, pureza absoluta, amor absoluto e desprendimento absoluto. Estes conceitos eram utilizados como unidades de medida do progresso individual.

Talvez o elemento mais importante da vida deste Grupo fosse a confissão ou o “compartilhamento”. Os primeiros dias do desenvolvimento do Grupo caracterizaram-se por experiências onde os membros ficavam em pé diante de um auditório para descrever a história dos seus fracassos.

Buchman conseguiu atingir a alta sociedade da época, e seus discípulos estavam cheios de devoção a ele, devida, em parte, ao seu talento para a comunicação. Costumava expressar sua mensagem utilizando metáforas simples, fáceis de compreender: “Se alguém tem uma doença num olho, de que adianta colocar-lhe remédio desde um terceiro andar? ” E “Não coloque o feno tão alto que o burro não possa alcançar”.

Já nos anos de 1930 o Grupo de Oxford conseguiu atrair muitos alcoólicos; e alguns conseguiam se manter sóbrios. Por volta da metade dessa década, Bill W., entrou em contato com o Grupo de Oxford da Igreja Episcopal do Calvário, em Nova York, que dispunha de um serviço para alcoólicos. Quando foi a Akron, em viagem de negócios, foi tomado por uma grande vontade de beber: na sua luta para resistir à tentação, decidiu procurar outro alcoólico que talvez estivesse passando pela mesma dificuldade. Conheceu o Dr. Bob que, por coincidência, estava associado ao Grupo de Oxford.

Enquanto estes dois homens compartilhavam suas experiências, conseguiram reconhecer o valor dos princípios espirituais, da solidariedade e do vínculo em comum que tinham através do seu alcoolismo. Progredindo da fraqueza para a força, ocorreu-lhes a ideia de que talvez pudessem ajudar outros que estivessem lutando contra o alcoolismo, e assim nasceu Alcoólicos Anônimos.

Entretanto, o Grupo de Oxford começou a se reunir em grandes assembleias substituindo-as pelas pequenas e intimas reuniões de anos atrás. Em 1938 mudou o nome para “Rearmamento Moral” e começou a trabalhar cada vez mais com assembleias mundiais. Alguns dos primeiros discípulos retiraram-se do movimento, descontentes com a mudança de ênfase do indivíduo para a massa. O principal lema de Buchman naquele então era “Transformar o mundo, transformando a vida”, e isto conduziu o movimento à sua derrocada.

Na metade dos anos de 1930, Buchman tratou de se entrevistar com Adolf Hitler, convencido de que ele poderia ser tocado e transformado pelo poder de Deus. Não foi bem-sucedido, mas insistiu em alcança-lo através de seus partidários. Por este fato, foi rotulado de pro-nazista.

Os fundadores de A.A. aprenderam uma lição da grandeza e decadência do Grupo de Oxford. Não é apenas uma coincidência que o Preâmbulo diga: “A.A. não está ligada a nenhuma seita ou religião, nenhum movimento político, nenhuma organização ou instituição; não deseja entrar em qualquer controvérsia; não apoia nem combate quaisquer causas”.

Outro contraste significativo tem a ver com o anonimato. Nos primeiros dias, Buchman insistiu em que fosse mantido o anonimato a nível público; mais tarde descobriu e o uso do nome fazia parte do depoimento, e que poderia ser utilizado para conquistar outros membros. Com um toque de Madison Avenue (*), acreditou que os depoimentos poderiam ser utilizados para vender um modo de vida gratificante, para incentivar o trabalho em equipe nas empresas e promover a espiritualidade.

Entretanto, a pesar destas diferenças, Bill nunca se furtou a reconhecer a profunda influência do Grupo de Oxford no desenvolvimento de A.A. Falando na reunião do vigésimo aniversário da Irmandade (a segunda Convenção Internacional de A.A., e Saint Louis, Missouri, em 1955), disse “...A.A. retirou os preceitos de autoexame, reconhecimento dos defeitos de caráter, reparação de danos e o trabalho com os outros, do Grupo de Oxford, e, diretamente de Sam Shoemaker, seu ex-líder na América, e de nenhum outro lugar”. 

          

(*), A Madison Avenue é uma grande avenida que corre pela cidade de Nova Iorque, distrito de Manhattan, correndo num sentido norte-sul. É uma via pública de sentido único. Veículos podem transitar apenas para o norte. É uma avenida arterial de Nova Iorque, e uma das mais movimentadas da cidade. Está nomeada em homenagem a James Madison, o quarto presidente dos Estados Unidos.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Madison_Avenue 

Literatura Digital em eBook