. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

A Oração da Serenidade

Dr. Lais Marques da Silva,
ex-Custódio e Presidente da JUNAAB

Os depoimentos feitos pelos alcoólicos nos grupos de A.A. freqüentemente mostram que o alcoólico na ativa procurava ter o controle absoluto sobre os seus sentimentos e sobre o seu ambiente. Na chamada “fase ativa”, bebiam para relaxar, para ficarem “altos”, para ficar espirituosos, para abrandar a dor – para controlar. Mas, no mundo real, as coisas não são bem assim e a verdade é que o nosso ânimo depende, em boa medida, das situações e até de pessoas que estão fora do nosso controle. Bebiam também para negar esta dependência.

Ao usar o álcool, procuravam negar a limitação da vontade e a dependência e, aí, esta se tornava absoluta. Procuravam o controle ilimitado e a negação da dependência. Mas, existir como ser humano, significa ser limitado e não há absolutos nem ilimitados no nosso poder.

O A.A. mostra que somos tanto parcialmente dependentes como capazes de ter um controle, que é apenas parcial. Mostra, também, que a verdade é que o ser humano está sempre ajoelhado, a meio caminho entre estar de pé e de estar deitado.

A Irmandade de AA sugere: “Levante-se com as suas pernas, pois você pode fazer algumas coisas, mas não todas as coisas”. O A.A., por outro lado, modera a tendência para a grandiosidade dizendo: “Ajoelhe-se, você pode fazer algumas coisas, mas não todas as coisas”.

Há um jogo de “pode”, “não pode” que é sintetizado, magistralmente, na Oração da Serenidade: ”Concedei-nos Senhor a Serenidade para aceitar as coisas que não podemos modificar (não pode), coragem para modificar aquelas que podemos (pode) e sabedoria para distinguir umas das outras”. Ela retrata a condição humana em relação ao “pode” e “não pode” e mostra o caminho para esse reconhecimento a partir do qual a paz e a serenidade de espírito são alcançadas.

O alcoólico “na ativa” é uma pessoa que “tem” que beber, mas que “não pode” beber. Mais tarde, na Programação, o alcoólico percebe que não abre mão da “liberdade de beber ”mas que ganha a “liberdade de não beber” e compreende que o alcoólico não é uma pessoa que “não pode beber” mas sim uma pessoa que “pode não beber”, que dispõe de um novo poder, o de não beber. É preciso aceitar o paradoxo para poder apreciar de modo mais amplo a natureza humana e esse jogo do “pode”, “não pode”, de importância fundamental para alcançar a serenidade, ajuda a perceber e a compreender toda a dimensão de grandeza contida na Oração da Serenidade.

 

Literatura Digital em eBook