. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

Anne Ripley Smith (1881 -1949)

A.A. Grapevine, junho 1950

Editorial

De alguma forma, acredito que a amada Anne do Dr. Bob prefira esta homenagem simples, mas agradecida, a uma contendo linguagem extravagante e alardeando frases que somente serviria para ocultar uma vida com um significado profundo. É de se duvidar que, agora, apenas um ano após sua morte, que o verdadeiro significado da vida de Anne Smith tenha-se realizado.

Certamente, o calor de seu amor, o charme da sua personalidade e a força da sua humildade ainda estão muito presentes naqueles de nós que a conhecemos. Anne Smith era muito mais do que uma graciosa dama. Ela foi uma das quatro pessoas escolhidas por uma entidade mais elevada para realizar um serviço para a humanidade. A quão grandiosa foi sua contribuição, somente o tempo e uma inteligência além do entendimento humano poderão determinar.

Junto com o Dr. Bob, Lois e Bill W., Anne Smith entra para a história, não como uma heroína, mas como alguém disposto a aceitar a vontade de Deus e pronto para fazer o que precisava ser feito. Sua cozinha era seu campo de batalha e, enquanto Anne servia café preto estava sendo travada uma batalha que levou à salvação da minha vida. Foi ela, talvez, quem primeiro compreendeu o milagre que aconteceu entre Bill W. e o Dr. Bob. E, nos anos que se seguiram, foi ela que teve a certeza divina de que o que tinha acontecido em sua casa iria acontecer em outras casas de novo, de novo, e de novo, Anne compreendeu a simplicidade da fé.

Talvez seja por isso que Deus a escolheu para nos ajudar. Talvez por isso Anne nunca tenha pensado em si mesma como “uma mulher predestinada” e foi por isso que conduziu seu trabalho em silêncio. Talvez por isso, quando ela dizia a uma esposa em desespero por causa do alcoolismo do marido, “venha, minha querida, você está entre amigos agora – amigos que a compreendem”, o medo e a solidão desapareciam. Talvez por isso Anne sempre se sentava no fundo da sala nas reuniões, para que pudesse ver os recém-chegados como eles vinham, tímidos e inseguros... E dar-lhes as boas-vindas. Assim, da maneira mais simples que conhecemos, e falando pelos AAs de todos os lugares, dizemos apenas “Obrigado, Dr. Bob, por tê-la partilhado conosco”. Sabemos que ela agora faz parte de um grupo lá no alto, sentada bem atrás, olhando para os recém-chegados, ouvindo seus nomes e dando-lhes as boas-vindas.

N.T.: Em seu tributo a Anne, Bill W. escreveu: “...Anne era a esposa do Dr. Bob, cofundador de Alcoólicos Anônimos. Era, literalmente, a mãe de nosso primeiro Grupo, o Número Um de Akron.

Seu conselho bom e sábio. Uma insistência em antepor o espiritual com relação a tudo o mais, seu apoio constante ao Dr. Bob em todos os seus trabalhos – todas essas eram as virtudes que nutriram a insegura semente que chegaria a se converter em A.A. Somente Deus poderá calcular o valor de semelhante contribuição. Nós podemos dizer somente que era magnífica e inapreciável. Ela foi, no sentido mais amplo da palavra, um dos fundadores de Alcoólicos Anônimos”.

Página 415 de “A Linguagem do Coração”, Junaab, código 104.

Literatura Digital em eBook