. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

1939 01 Apresentação do manuscrito aos nossos amigos

Finalizada a datilografia do livro "Alcoólicos Anônimos", os autores decidiram pedir que amigos não alcoólicos comentassem seu conteúdo, para garantir que não houvesse erros médicos ou materiais que pudessem ser ofensivos a pessoas de diferentes religiões. Foram feitas 400 cópias mimeografadas e enviadas a amigos e profissionais da área da medicina e da religião, para avaliação e comentários. Entre as sugestões recebidas destacam-se a de um médico de Baltimore propondo que um médico escreva a introdução.

Para mostrar no livro o apoio da medicina, o Dr. William D. Silkworth aceitou escrever uma introdução. Bill W. costumava descrever o Dr. Silkworth como "o pequeno doutor que amava os alcoólicos". O então médico chefe do Hospital Charles B. Towns em Nova York, "um homem que foi mais que um fundador de A.A. Com ele aprendemos a natureza da nossa doença. Ele nos forneceu as ferramentas para romper o inflexível ego do alcoólico, aquelas frases de impacto com as quais descreveu a nossa doença – a obsessão da mente que nos compele a beber e a alergia do corpo que nos condena a ficar loucos ou morrer". Foi o homem que disse a Bill W. que sua dramática experiência espiritual não era uma alucinação, mas uma experiência transformadora sobre a que poderia construir uma nova vida. E foi um dos muitos amigos não alcoólicos que, naqueles primeiros dias, quando A.A. era um pequeno movimento lutando para sobreviver, arriscou sua própria posição profissional para dar à nossa Irmandade o apoio que tanto precisava. Sua introdução, "A Opinião do Médico" faz parte das páginas preliminares do livro "Alcoólicos Anônimos".

Um dos comentários mais importantes para o futuro da Comunidade veio de um conhecido psiquiatra de Montclair, Nova Jersey – o Dr. Howard. "Ele salientou que o texto do nosso livro usava demais as palavras 'você' 'deve'. Sugeriu que as substituíssemos por 'nós' e 'deveríamos'. Sua ideia era remover todas as formas de coação, para que nossa Irmandade se estabelecesse na base de 'nós deveríamos' em vez de 'você deve'. Fazer essa mudança em todo o texto daria muito trabalho. Argumentei francamente contra isso, mas logo me dei por vencido; não havia dúvidas de que o médico estava totalmente certo", disse Bill W.

As mudanças efetuadas na rígida abordagem inicial sem dúvida ajudaram a tornar esse livro aceitável para muitos alcoólicos teimosos nos anos seguintes. Por exemplo, na versão atual, o Capítulo 5 começa "Raramente vimos alguém fracassar tendo seguido cuidadosamente nosso caminho" - muito melhor do que o original "... seguido as nossas indicações". Da mesma forma, a frase "Se você chegou à conclusão de que quer o que nós temos e deseja fazer todo o possível para obtê-lo, então está pronto para seguir as nossas indicações" foi mudada para "... dar alguns passos"; também houve mudança na frase "Mas há alguém que tem todo o poder – esse alguém é Deus – você tem que encontra-Lo agora!", foi suavizado para "... Que você possa encontra-Lo agora!".

Frases tais como "o primeiro requisito é que..." já não aparecem no texto, e as palavras "Acreditamos que agora você pode aguentá-lo" que precediam a "Eis os passos que demos..." foram excluídas. E, felizmente, o livro já não diz, "Se você não está convencido destes assuntos vitais, deve voltar a ler o livro até este ponto ou jogá-lo no lixo".

O Dr. Harry Emerson Fosdick, o muito respeitado ministro da Igreja Presbiteriana Riverside de Manhattan, que deu uma calorosa acolhida ao livro e ainda escreveu um artigo muito favorável para a Irmandade.

CAHist – Comitê de Arquivos Históricos da Junaab