. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

1934 12 A experiência espiritual de Bill W.

Embora nas três internações anteriores – num período de pouco mais de um ano - tivessem existido alucinações como consequência do “tratamento da beladona"– o tratamento oferecido pelo Towns Hospital, em Nova York, para a "cura" do alcoolismo, foi na quarta internação ocorrida entre os dias 11 e 18 de dezembro de 1934, que, passadas as primeiras 50 horas do tratamento, isto é, do segundo para o terceiro dia, que Bill W. teve uma experiência diferente. Nas suas palavras, a partir de uma profunda depressão e chegando ao ponto de total esvaziamento, entrou num estado de rendição completa e absoluta. Sem nenhuma fé ou esperança, ele gritou: “Se existe um Deus, que Ele se manifeste! Estou pronto para fazer qualquer coisa, qualquer coisa!".

Então teve aquele "hot flash", ou estalo, que ele assim descreveu: "De repente o quarto se encheu de uma forte luz. Mergulhei num êxtase, que não há palavras para descrevê-lo. Pareceu-me, com os olhos de minha mente, que eu estava numa montanha e que soprava um vento, não de ar, mas de espírito. E então tive a sensação de que era um homem livre. Lentamente o êxtase passou. Eu estava deitado na cama, mas agora por instantes me encontrava em outro mundo, um mundo novo de conscientização. Ao meu redor e dentro de mim, havia uma maravilhosa sensação de presença e pensei comigo mesmo: ‘Então esse é o Deus dos pregadores!'. Uma grande paz tomou conta de mim e pensei: ‘Não importa quão erradas as coisas pareçam ser, elas ainda são certas. As coisas são certas com Deus e Seu mundo'" -último parágrafo da página 56 do livro “A.A. Atinge a Maioridade" –Junaab, código 112.

Pouco depois dessa “viagem ao topo da montanha", Bill chamou o médico e perguntou: “Estou ficando louco?". De acordo com Dale Mitchell, biógrafo de Bill, o Dr. Silkworth poderia ter advertido ao paciente que o tratamento com beladona que ele estava recebendo"... era susceptível de causar imagens vibrantes, confusão mental e produzir alucinações daquele tipo”. Isso é o que qualquer médico provavelmente teria feito. Mas, não apenas como médico, mas também como um homem humilde que acreditava que as coisas acontecem por uma razão e que os motivos de seu sucesso muitas vezes são obscuros para nós, o Dr. Silkworth escolheu outro caminho - um caminho pelo qual todos nós AAs devemos ser eternamente gratos a este “pequeno doutor que amava os alcoólicos". Ele disse a Bill que ele não estava ficando louco e que"... seja o que for que tenha tido, é melhor se apoiar nisso; isso é muito melhor do que você tinha há somente algumas horas atrás".

Nas próximas horas foi visitado por Ebby T. que não entendeu absolutamente nada do que tinha ocorrido, mas entregou a Bill um livro presenteado por Rowland Hazard um membro do Grupo de Oxford, como Ebby, que oferecia esclarecimentos adicionais àquela experiência: “As Variedades da Experiência Religiosa”, do filósofo e pai da psicologia americana e do conceito do Pragmatismo, William James cujo pensamento viria fazer parte do programa de A.A.

Mais tarde, ao ler esse livro levado por Ebby, Bill entendeu que lhe teria acontecido o que William James descrevia como “despertar espiritual”, ou “experiência espiritual", expressão esta, que viria fazer parte de seus futuros depoimentos e palestras, e do vocabulário de grande parte dos membros de A.A.

Anos mais tarde, Bill W. afirmou que, se o Dr. Silkworth tivesse desencorajado sua nova relação com o “mundo do espírito”, duvidava que fosse recuperar-se.

CAHist – Comitê de Arquivos Históricos da Junaab