. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

Buscamos os principiantes onde eles estão

 

Box 4-5-9, Fev. Mar 1983 (pág. 1-2) =>http://www.aa.org/newsletters/es_ES/sp_box459_feb-mar83.pdf

Título original: “¿Encontramos a Los Principiantes ‘Dónde Ellos Están’?”.

As necessidades que tem o alcoólico recém recuperado que vem de um presidio, de um hospital ou de uma instituição de tratamento, são as mesmas que tem um principiante“comum” ? Se é assim, de que maneira?

No Fórum Regional do Oeste do Canadá, em Winnipeg, Manitoba, Phil C., Delegado de Manitoba, falando desta questão fundamental, disse: “Acredito que necessitam a mesma paciência, amor, compreensão, exemplo e informação que qualquer outro participante”.Entretanto, fez notar: “É possível que alguns tenham passado tanto tempo numa instituição que agora não possam pensar por si mesmos e devemos ajuda-los a ‘dar os primeiros passos’ da mesma maneira que faríamos com uma criança.

Na maioria dos casos, o alcoólico recém-saído de uma instituição toma remédios – Antabuse (*) ou outro medicamento, e possivelmente esteja em um programa de terapia para doentes não internos. É possível que a paciência e a compreensão do padrinho sejam postas a prova até o limite. Ouvi alguns veteranos teimosos dizer ‘não falarei com você enquanto estiver tomando Antabuse’. Ou tratam de agir como psiquiatra, psicólogo ou feiticeiro; ou os três”.

Em consequência disso, disse Phil, os principiantes continuam duvidando entre seguir os conselheiros, com quem estabeleceram uma linha de comunicação e que lhes haviam recomendado A.A., e os AAs que lhes dizem: “Esqueça tudo que lhe disseram; nós temos a resposta correta”.

A sugestão de Phil: “Devemos mostrar tolerância, cooperar com os conselheiros e não trabalhar em sentido contrário. Mais tarde, quando os principiantes tenham começado a assimilar o programa de A.A., haverá tempo de sobra para sugerir discretamente que A.A. pode oferecer-lhes soluções para outros problemas, não apenas os do seu alcoolismo, mas também os problemas normais da vida cotidiana e para sugerir que é possível que aqueles problemas desapareçam na medida em que progride a sobriedade e eles aplicam os princípios de A.A.”.

Webb J., Delegado da Columbia Britânica, Yukon, destacou também a necessidade de tolerância e de apadrinhamento sensível. “Fiz parte do Comitê da Conferencia de Centros de Tratamento durante os dois últimos anos, e percebi quantos alcoólicos que não bebem são enviados a nós com um programa abreviado. É imperioso que nossos Grupos recebam estas pessoas com um pouco de tolerância, enquanto lhes mostramos, através do nosso exemplo, que cinco Passos em 28 dias não é tudo”. Recomendou que fossem fornecidas às instituições e centros listas de padrinhos dispostos a servir para ajudar os principiantes a encontrar Grupos-base; e que os Comitês locais organizem reuniões de A.A. nas instituições quando seja possível.

Ken T., Delegado de Alberta, falou de levar a mensagem aos alcoólicos presos; observou que há mais de 1.100 Grupos de A.A. nos EUA/Canadá (em 1983).

Disse ao auditório que a maioria das vezes, os AAs são bem vindos nas instituições correcionais. Mas advertiu que “estas instituições tem que zelar pela segurança, e temos que respeitar isto se formos trabalhar numa instituição - e não ir pode implicar em que alguém não receba a mensagem. Então, fiquei sabendo que sempre irá haver coisas que a direção faz com as quais não concordo; isso não é assunto meu. Estou ali unicamente para levar a mensagem ao alcoólico sob custódia”.

Enquanto aos problemas particulares dos presídios para mulheres, Ken observou que alguns membros “tratam de identificar-se usando palavras pitorescas ou o jargão da rua. Não temos que nos transformar em outros. As mulheres querem conhecer nossa experiência – como fizemos a viagem de volta e como elas podem fazê-lo também. Iram-nos amar por quem somos, não pelo que fizemos ne porque já cumprimos uma pena na prisão”.

Um aspecto fundamental do trabalho nos presídios, disse Ken, é entrar em contato com os presos a primeira noite que saem da prisão e leva-los a uma reunião. Indicou outros meios pelos quais membros de A.A. podem ajudar os apenados: podem recolher exemplares da Grapevine (Vivência, no Brasil), para distribuição nos Grupos institucionais; formar parte dos comitês institucionais; escrever aos presos, através do Serviço de Correspondência com Instituições do ESG; escrever artigos para a Vivência ou boletins locais a respeito do trabalho de A.A. em centros de custódia.

(*) N.T.: Antabuse => (anti-abuso em inglês). Nome comercial de uma droga a base de enxofre (em latim súlfur) cujo princípio ativo é o dissulfiran e é usada como inibidora do uso de bebidas alcoólicas (no Brasil também é conhecida como “Tira-álcool”). A droga, em forma de pó, pode ser adicionada à comida ou a líquidos não alcoólicos e provoca o acúmulo de acetaldeído, um produto extremamente tóxico.

Seus efeitos, se ingerido álcool, são extrema vasodilatação e consequente queda de pressão arterial, taquicardia e cefaleia, além de um gosto horrível de enxofre (sulfiran-like). O paciente rejeita o álcool por associação aos efeitos relatados. 

 

Literatura Digital em eBook