acessibilidade texto


. . .

Portuguese Portuguese

Amigo Anônimo

aanonimoui

Onde levamos a mensagem e onde não fazê-lo 

 
Box 4-5-9, Out. Nov. / 1998 (pág. 7-8) => http://www.aa.org/lang/sp/sp_pdfs/sp_box459_oct-nov98.pdf 
Título original: “¿Dónde empezamos a llevar el mensaje y dónde dejamos de hacerlo?”. 
“Sapateiro, não vás além da tua chinela”,aconselha-nos a Quinta Tradição cujo enunciado expressa a razão de ser de A.A.:  “Cada Grupo é animado de um único propósito primordial – o de transmitir a mensagem ao alcoólico que ainda sofre”.
 
Entretanto, como já perceberam milhares de AAs que se comprometeram com este conceito, a simples prática não é tudo. “De vez em quando”,Diz Bill E., do Comitê de Informação Pública de Nova Jersey, “chega a nós um pedido para enviar um orador para falar numa escola primária ou diante de um grupo de escoteiros a respeito dos perigos do Álcool – com aesperança de contribuir para que esses jovens parem e pensem antes de experimentar a bebida.
 
Mas,A.A. têm algo a ver com esse assunto?”.
 
Num artigo publicado no n´mero de verão (1998) do boletim do Intergrupo / Serviços Gerais de Nova Jersey da Área 44,  This Day, Bill diz,  “seria converter meu maior desejo em realidade se ninguém tivesse que passar pelo inferno do alcoolismo ativo como eu passei. Mas temos que lembrar que  não  somos  uma  sociedade  antialcoólica,  nem  advogamos  pela abstinência  do  álcool.  
 
Os movimentos e a legislação antialcoólica do passado fracassaram.  Todos conhecemos muitas pessoas que podem tomar bebida alcoólica sem problema algum. Nós,  os  AAs,  não  podemos  fazê-lo.  Temos  uma  capacidade  especial  para  levar  a  mensagem  de recuperação do alcoolismo. Mas essa experiência nãonos habilita para falar dos perigos do álcool em geral. Para a maioria das pessoas, o álcool não é um perigo”.  Ademais, comenta Bill, existe o princípio de não opinar sobre assuntos alheios à Irmandade e a advertência enunciada na Décima Tradição, que diz “... o nome de A.A. jamais deverá aparecer em controvérsias públicas”.Ao falar perante um grupo não A.A., somos membros  de A.A. embora se recomende que ao fazer qualquer apresentação deste tipo, expliquemos com clareza que não falamos em  nome  de  A.A.  Alcoólicos  Anônimos  não  opina  sobre a  fabricação,  distribuição,  venda  ou consumo de álcool. Não temos opinião a respeito de  qual deve ser a idade estabelecida por lei para tomar  bebidas  alcoólicas  nem  a  respeito  da  proporção álcool/sangue  que  constitui  a  embriaguez desde o ponto de vista legal. Pode parecer duro dizer que não nos importam essas questões; muitos de  nós  temos opinião  já  formada  a  esse  respeito.  Entretanto,  como  membros  de  A.A.  não  temos opinião a respeito de assuntos alheios. E estes, são assuntos alheios. Então,  mais  precisamente,  onde  levamos  a  mensagem?  “Levamos  a  mensagem  a  qualquer pessoa ou grupo que queira saber o que A.A. é e o que faz. Não somos especialistas em alcoolismo. Não levamos a mensagem genérica,  ‘não beba’.Mas, se uma pessoa tem problemas com o álcool, dizemos-lhe ‘não beba e venha as reuniões’” Na  Área  da  Costa  Norte  da  Califórnia,  Tim  P.,  coordenador  cos  Comitês  de  Informação Pública  e  de  Cooperação  com  a Comunidade Profissional  do  condado  de  Sonoma,  faz  uma advertência a respeito de falar perante grupos não A.A. No número de julho do boletim do Intergrupo da Comunidade de Sonoma, diz que  “é fácil se desviar – afastar se do único tema que  temos que compartilhar ali: nosso alcoolismo e a recuperação em A.A.”.Por exemplo, ele explica, “é possível que suponha um grande desafio responder com toda sinceridade  à  questão  das  drogas,  de  uma  maneira  que justifique  a confiança  que  a  comunidade depositou em nós, e que, ao mesmo tempo, sejamos capazes de encerrar essa questão (das drogas)  e voltar ao tema principal que é o alcoolismo e Alcoólicos Anônimos”. 

Literatura Digital em eBook