. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

O membro de A.A., os medicamentos e outras drogas. 

Box 4-5-9, Outono (setembro) / 2011 (pág. 5) => http://www.aa.org/lang/sp/sp_pdfs/sp_box459_fall11.pdf

Título original: “El miembro de A.A. – los medicamentos y otras drogas”.

Mesmo depois das revisões aprovadas pela Conferência de Serviços Gerais de 2011, foram feitas mudanças substanciais no folheto “O membro de A.A. – os medicamentos e outras drogas” (Junaab, cód. 214, R$ 4,20) um tema de grande significância segue sem mudanças nas versões antiga e atual: “Nenhum membro de A.A. deverá fazer papel de médico.

Todos os conselhos os conselhos e tratamentos médicos deverão vir de um médico qualificado”. Este comentário é ampliado posteriormente no folheto com a seguinte experiência compartilhada: “Devido aos problemas que alguns alcoólicos podem ter com medicamentos, alguns membros, por conta própria, adotaram a postura de que ninguém em A.A. deveria tomar medicamento algum.

Embora para alguns membros o seguir este conselho possa ter sido benéfico, evitando uma possível recaída, para outros foi um desastre.

A experiência deixa muito claro que é tão equivocado privar a qualquer alcoólico da medicação que pode aliviar ou controlar outros problemas físicos e emocionais que o deixem impossibilitado, quanto o é ajudar a qualquer alcoólico a recair na adição a qualquer droga”. Em todo este folheto, incluindo a introdução ao mesmo e ao longo de várias histórias, se destaca a extrema importância de haver uma relação aberta e de colaboração entre os membros de A.A. que necessitem de medicamentos receitados para tratar de sua saúde e os médicos que receitam esses medicamentos.

Uma vez que no tema deste folheto entram em jogo decisões médicas importantes, pediu-se a um grupo de médicos amigos de A.A. que fizessem a revisão deste folheto. Há uma seção depois da introdução chamada “Nota aos profissionais da medicina”. Onde um parágrafo diz: “Como indicado na Introdução, alguns alcoólicos devem tomar medicamentos receitados.

Entretanto, nossa experiência indica que o mau uso (abuso) dos medicamentos receitados pode colocar em perigo a manutenção da sobriedade alcançada. As sugestões expostas na Introdução são oferecidas no sentido de ajudar os membros de A.A. a encontrar o equilíbrio e minimizar o risco de recaída”.

Eis algumas das sugestões contidas na Introdução além da mencionada no início, “Nenhum membro de A.A. deverá fazer papel de médico”:

  1. • A participação ativa no programa de recuperação de A.A. é a melhor proteção contra uma recaída alcoólica.
  2. • Seja totalmente sincero com seu médico e com você mesmo no que se refere à forma como toma os medicamentos. Informe ao médico se deixa de tomar ou se toma mais do prescrito.
  3. • Explique ao seu médico que parou de ingerir bebidas alcoólicas e que está com o propósito de iniciar uma nova forma de vida sem o uso do álcool.
  4. • Informe imediatamente seu médico se tiver o desejo de tomar mais quantidade que a receitada ou se os efeitos colaterais provocados pelo uso do medicamento fazem-no sentir-se pior.
  5. • Conscientize-se das possíveis mudanças de comportamento ao começar a tomar um novo medicamento ou quando a dose for mudada.
  6. • Se desconfiar que seu médico não compreenda seus problemas, considere a possibilidade de se consultar com um médico que tenha experiência no tratamento do alcoolismo. • Dê ao seu médico alguns exemplares deste folheto.

Literatura Digital em eBook