. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

Quando abro as portas do grupo

O relato a seguir vale uma meditação

Quando abro as portas do Grupo e penduro nelas as placas de A.A., começo a sentir uma estranha sensação de pertencimento. Na calçada e nos ônibus, algumas pessoas me olham, mas elas não sabem quem sou, porque sou anônimo. Sou o coordenador do dia, responsável para que tudo corra bem naquela reunião. Uma reunião que pode salvar vidas – a minha, principalmente.

Vejo se há envelopes de correspondência pelo chão e percorro com os olhos a sala vazia. A sensação de pertencimento aumenta. A sala silenciosa, com suas cadeiras ainda vazias e paredes cheias de quadros, contém milhares de vozes – a minha, inclusive. Vozes que falam de perdas, mas também de ganhos; falam de dores, desespero e tristezas, mas também de esperança, amor e alegria. O sentimento de pertencer cresce ainda mais: esse é meu grupo base, o grupo do qual faço parte, o grupo do qual dependo para viver e, hoje, somente por hoje, sou responsável pelo seu bom funcionamento.

Acendo as luzes e vou direto para a cozinha. Abro a porta dos fundos, ponho o café para coar, examino o nível das bolachas. Tudo certo. Volto para a sala, vejo se os banheiros estão limpos e abastecidos de toalhas, papel e sabonete. Noto que os companheiros de ontem à noite deixaram as coisas em ordem, não será preciso varrer e nem recolher nada do chão.

Atualizo a lousa e dou uma espiada nos avisos, para ver se surgiu algum assunto novo. Verifico se o saldo da Sétima Tradição está bom ou se precisarei fazer um alerta quando passar a sacola. Depois, sento à mesa, pego a caneta e preencho o cabeçalho da ata do dia. Escrevo o Princípio de Ouro do dia e reflito no seu significado para mim. Então, confiro se o material de ingresso está ok, testo o cronômetro e checo se tudo que vou precisar está sobre a mesa e nas gavetas.

Releio o roteiro para repassar mentalmente o andamento da reunião, embora saiba que terei ajuda dos companheiros se errar ou esquecer algo. Por fim, pego o livro Reflexões Diárias e leio calmamente o texto do dia, uma, duas, até três vezes, mentalizando bem seus significados para mim. Marco a página para encontrá-la facilmente durante a reunião, fecho o livro e, nesse momento, sinto uma grande serenidade.

O mundo lá fora, com suas correrias, medos e violência, deixou de existir. Estou seguro e calmo. Olho novamente para as cadeiras vazias, imagino que logo mais haverá gente nelas e sinto toda a força que emana de uma sala de grupo de A.A. Volto à cozinha, pois a essa altura o café já está coado. Enquanto experimento se está bom de açúcar a campainha toca, anunciando que alguém está à porta.

Talvez seja um companheiro ou uma companheira, que poderão atuar na recepção. Quem sabe, alguém cheirando a álcool, ainda lutando para se afastar do primeiro gole. Ou talvez seja um novato, nervoso e envergonhado, procurando ajuda pela primeira vez. No fundo, não importa. Seja quem for, eu e o grupo estamos prontos para recebê-lo. Eu sou responsável – e infinitamente grato – por abrir hoje as portas da Irmandade de A.A., penso comigo mesmo, enquanto caminho até a porta.

EDIÇÃO: 166 – PÁGINA: 4