. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

Para refletir

Estimados companheiros e companheiras, antes de vos escrever sobre meu entendimento e minhas experiências sobre o assunto: “Alcoolismo Doença”, não como definição pois A.A. não trata deste assunto cientificamente, o que pertence somente a medicina e aos médicos, dizendo apenas que os membros de A.A. consideram que o alcoolismo é uma doença progressiva, incurável e fatal, de origem tanto física, quanto mental e espiritual, mas que pode ser detida.

“Segundo a Sociedade de Medicina Americana, alcoolismo é uma doença primária, crônica, com fatores genéticos, psicossociais e ambientais que INFLUEM em seu desenvolvimento e suas manifestações. A doença é com frequência progressiva e fatal. Se caracteriza por uma capacidade reduzida para controlar a bebida, uma preocupação pelo uso do álcool apesar de suas consequências adversas, é uma deformação na maneira de pensar, sendo a mais notável a negação. Cada um destes sintomas pode ser contínuo ou periódico. ” (1992) Do livrete: “A.A. COMO UM RECURSOS PARA OS PROFISSIONAIS DA SAÚDE”.

Culturalmente alcoolismo é um problema de comportamento, moral, etc. e sempre é o que vem primeiro a mente do ser humano.

Cientificamente é uma doença primária, ou seja, por si só.

Sendo uma doença primária, ninguém fica alcoolista porque entra em contato com a bebida, mas porque sendo doente, ao entrar em constato com ela, fica dependente da mesma. Os sadios bebem um pouco e param, pois não se sente bem com mais bebida, os doentes alcoólicos se fixam cada vez mais na bebida.

Perdas, dor, sofrimento, depressão, etc. podem levar a qualquer um a beber algo, mas só o doente alcoólico se fixará na bebida, o não doente não continuará bebendo.

O Dr. Jurandy Barcelos Rodrigues, gaúcho, amigo de A.A., já falecido na década de 1980, dizia que ninguém bebe por que tem problemas e sim tem mais problemas do que os outros exatamente porque bebe.

Os problemas diversos são fatores desencadeadores do alcoolismo porque colocam o doente alcoólico em contato com a bebida alcoólica, esses mesmos problemas também colocam os não doentes alcoólicos em contato com a bebida alcoólica, sem, no entanto, os tornarem alcoolista em nenhum momento.

Alguém que se torna alcoolista porque bebe, é por que já era alcoolista, apenas o contato com a bebida manifestou a doença que já estava instalada em seu organismo (a doença primária).

Os defeitos de caráter não são privilégio de alcoolistas, mas a bebida aumenta seus efeitos no alcoolista, geram mais sofrimento ao mesmo, porque este bebendo libera a censura e expressa esses defeitos com mais intensidade e descontrole, gerando grandes problemas aos seus familiares e a sociedade e a si mesmo.

A raiva, que repetida leva ao ódio, a agressividade, a inveja que quer destruir o outro, pois a inveja que visa atingir somente o grau de sucesso do outro é positiva; a reserva, o ressentimento e outras manifestações dos instintos fazem parte da vida, e equilibradamente até são necessários para sobrevivência do ser humano. A.A. com seu programa dos Doze Passos, Doze Tradições e Doze Conceitos, pois todas essas atividades fazem parte da recuperação, a cada seguinte legado agrega ao anterior um novo exercício de nossa recuperação. A.A. nos sugere, oferece e permite processos para controlar esses instintos e trazê-los ao equilíbrio. Um ponto necessário a atingir, é nos proporcionar a concepção pessoal de um Poder Superior, onde o nível de consciência de cada um vai dar um toque diferenciado da compreensão da Divindade, entrando ai, a cultura e as experiências pessoais, no tempo e no espaço, gerando bem-estar ao indivíduo pelo resultado da experiência pessoal que leva a fé genuína, pois a experiência pessoal é irrefutável, o que não acontece com a experiência de segunda mão, que é a que nos é transmitida de pai para filho, milenarmente.

A.A. nos diz também que fazemos parte de um grande todo, o Grande Todo é tudo, é Energia, a Divindade.. Nossas almas, portanto, são partes da Grande Alma Universal Divina. Tudo que fizermos aos outros o faremos a nós mesmos, e o que fazemos a nós mesmos o fazemos aos outros, isto nos faz compreender a importância do total respeito aos outros, pois estes outros e o próprio Deus serão atingidos pelos nossos pensamentos e atos, pois somos um só com todos e com tudo. Fica assim a partir dessa profunda compreensão, mais fácil, não ofender, não tratar com sarcasmo direto ou velado ou ter reservas aos outros, que são parte de Deus e de nós mesmos. Isto prezados irmãos e irmãs de doença não é religião é espiritualidade, da qual tanto tratou, Carl Jung.

Procurando deixar a superfície dos ensinamentos de A.A. para penetrarmos em sua profundidade, o que é uma escolha pessoal espiritual, nos levará muito mais profundamente em seus ensinamentos para usufruirmos da verdadeira felicidade e paz, que poderemos explorar de sua vasta e sábia literatura, e que muitos de nós preferimos deixar de lado essa riqueza de sabedoria, para exploramos coisas que nada tem a ver com o que precisamos para atingirmos a verdadeira e genuína sobriedade, que gera a explicação do porquê da vida, e nos mostra a sua leveza e beleza.

Como disse o prezado companheiro Isaias do Rio de Janeiro, fiquemos como que é nosso, de A.A., que nos une, o que é de fora nos divide e prejudica a nossa Unidade. A medicina é para os médicos, a religião é para os clérigos. A.A. se utilizou dos princípios da medicina e religiosos, mas não se utiliza da medicina e da religião.

Como sempre, escrevo para mim mesmo diante de vocês, para pela repetição consolidar minhas experiências e alterações comportamentais, solidificando assim meu entendimento, bem-estar, sobriedade e paz.

magno – área 7 – RS