. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

Lado a lado com os meninos

Aos 92 anos de idade, é assim que ele expressa sua relação com os recém-chegados, num relato tão sucinto quanto carregado de experiências, forças e esperanças.

Cheguei a A.A. em 11 de Junho de 1978 e fui para levar um amigo. Eu ainda estava num conflito íntimo entre rejeição e aceitação; ainda assim, pedi minha matrícula (naquele tempo, falávamos assim). E fui participando. A literatura era escassa, dúvidas eram frequentes, mas consegui enfrentar o restante do ano.
Superei o medo com coragem, descobri um novo homem dentro de mim e fui construindo minha recuperação. Participei de sete Convenções, e, na de 1986, em João Pessoa (PB), encantei-me com os Doze Conceitos para o Serviço Mundial e minha compreensão foi tomando outra dimensão. Percebi que lideranças não podem ficar trancadas – gavetas são nossas inimigas.

Naqueles dias, recebi pelos Correios o livro de William James: As variedades da experiência religiosa, que alguém mandou para mim. Ele veio todo marcado e dediquei-me a estudá-lo – o que me ajudou bastante, abrindo minha mente – juntamente com a literatura oficial da Irmandade.

Em Corinto (Minas Gerais), alguns anos mais tarde, foram formados mais dois grupos. Com o passar do tempo, percebemos que a cidade precisava de um grupo forte e autossuficiente. Mais uma vez, enfrentamos o medo com coragem e juntamos os três grupos então existentes e, desde 1996, temos apenas um grupo na cidade. Esse grupo paga aluguel, sobrevive e é responsável – apenas com as contribuições dos membros.

Precisei lidar com algumas grandes perdas, inclusive a de meu melhor amigo e companheiro, com o qual servi à Irmandade durante muitos anos. Éramos chamados de Sombra e, inúmeras vezes, choramos e rimos juntos. No início da década de 2000, ele se foi, deixando um legado de amor e companheirismo. Mais uma vez, a Irmandade foi meu esteio, mantendo-me de pé e firme no serviço.

A Irmandade modifica a gente, ensina-nos a aceitar a dor e aprender com ela. E, acima de tudo, a ser grato. Continuei participando e, até hoje, não mudei minha estrada, apego-me aos meninos, aprendo, ensino e seguimos lado a lado. A nova geração de AAs está muito esclarecida, mais criteriosa e caminhando dentro dos nossos 36 Princípios. Estou animado com o futuro da Irmandade, essa nova liderança possui um novo tipo de paciência, tolerância, flexibilidade e visão.

Frequento meu grupo base nas suas três reuniões semanais, mesmo aos 92 anos de idade. Sou ativo e sirvo ao meu grupo enquanto o Poder Superior precisar de mim. Muito obrigado, e que um Poder Superior, como cada um O concebe, conceda-nos mais 24 horas de sobriedade.

Adão Corinto/MG Edição: 167 - Página: 4