. . .

Este site usa cookies

Como a maioria dos sites, Alcoólicos Anônimos (BR) usa cookies. Para oferecer um serviço personalizado e ágil e para melhorar o site, lembramos e armazenamos informações sobre como você o usa. Isso é feito usando arquivos de texto simples chamados cookies que ficam no seu computador. Ao usar este site, você concorda com este princípio. Só será pedido uma vez. Para limpar cookies no computador siga as instruções

Curtindo o anonimato

As dinâmicas e os efeitos das reuniões no grupo base são familiares a muito de nós, mas sempre é bom repassar.

Nunca tinha assistido antes a uma reunião de A.A., mas o conselheiro tinha dito que começaria às 8h. Eram 7h55. Outras pessoas começaram a entrar e a subir as escadas. Bem, pensei se eu não gostasse, poderia levantar e sair; ninguém poderia me obrigar a ficar lá. De qualquer maneira, ninguém me obrigou a vir. Está bem. Subi as escadas.

Era uma sala grande com mesas no centro, algumas poltronas perto das janelas, uma máquina de café no fundo. O lugar cheirava a cigarro. Não querendo ser notado, sentei-me no canto.

A pessoa que aparentemente era responsável sentou-se na cabeceira da mesa. Atrás dela, estavam pendurados retratos de dois homens. Começaram de maneira ordenada e formal, guardando um minuto de silêncio, seguido de uma prece e a leitura de enunciados extensos chamados Passos e Tradições.

O que foi dito pareceu-me familiar: relatos e problemas que aconteceram a mim ou a pessoas que conhecia. Senti-me bem por estar com pessoas que entendiam as circunstâncias que eu experimentava. Eram abertos e francos com relação a seus problemas e conflitos. Ao final, aquele que estava sentado na cabeceira leu uma declaração sobre a questão do anonimato: “Quem você vê aqui, o que você ouve aqui, quando sair daqui, deixe que fique aqui”.

Passou um tempo antes que eu entendesse o sentido dessa frase. Por um lado, dizia fique na sua, o que uma pessoa compartilha com o grupo não deve ser comentado fora da reunião. Se uma pessoa tem problema com seu chefe e sei quem é o chefe, o que se diz tem caráter confidencial. Com o tempo, percebi que as pessoas tiram o peso da culpa, da ira, do ressentimento, da autopiedade e outras cargas emocionais, desembuchando e falando claramente das coisas que as angustiam. Essa é uma das chaves do êxito deste programa. Os que se preocupavam com a impressão que seu relato causava nos demais, ou que queriam parecer melhores do que se sentiam, não avançavam muito em sua recuperação. Estavam tornando-se atores que diziam o que outros queriam ouvir.

No começo, pensava que todos estavam envergonhados por estarem aqui; porque era assim que eu me sentia. Logo, reconheci um antigo vizinho que não via há anos. Não sabia se devia me esconder, ou dirigir-me a ele e cumprimentá-lo. Depois, soube que ele tinha muitos anos no programa, e ele se tornou meu primeiro padrinho.

Não era evidente para mim que reconhecer meu alcoolismo e aceitá-lo como um fato de minha vida eram duas coisas diferentes. Depois da aceitação, a vergonha desvaneceu-se com o novo interesse que logo experimentei em minha recuperação, sabendo que finalmente havia tomado o caminho correto. Com a aceitação da doença alcoolismo, desenvolvi um vigoroso empenho por estudar todos os aspectos do programa de recuperação. Comecei a assistir às reuniões dedicadas ao estudo dos Passos e coloquei-os em prática.

Minha recuperação desenvolveu-se de acordo com pautas familiares. As pessoas que eram sinceras em relação a manterem-se sóbrias iam regularmente às reuniões, colocavam as mesas e as cadeiras, exibiam os livros e demais materiais impressos. Davam as boas vindas aos novos e faziam-nos sentir que eram bem vindos. Praticavam quando eram chamadas à frente e escutavam atentamente o que outros contavam sobre suas experiências. Davam exemplo ao ajudar e dar a mão quando eram solicitadas.

Os sobrenomes e títulos profissionais não tinham nada a ver com a recuperação. O que importava era compartilhado na mesa e no comportamento naquela pequena sala. Os que faziam mais alarde só estavam tentando chamar atenção para si porque estavam contentes em ser como eram. Humildade é uma conquista pessoal, não se pode dar. Chega como vislumbre e desenvolve-se como cristal de gelo. Também é frágil e requer, portanto, cuidado e proteção.

Manter o anonimato assegura que o centro de nossos esforços resida no programa e não nas personalidades.

Fonte: Revista Vivência – Edição 173 – Maio / Junho – 2018 – Paginas: 25 – 26