. . .

Portuguese Portuguese

Amor - A próxima etapa

 

SOBRIEDADE EMOCIONAL

Acredito que muitos veteranos que submeteram nosso Programa de Recuperação de A. A. a testes severos, mas bem-sucedidos, ainda descobrem que frequentemente lhes falta sobriedade emocional. Talvez eles venham a ser a ponta de lança do próximo desenvolvimento importante em A. A. – o desenvolvimento de uma maturidade e um equilíbrio muito mais reais (o mesmo que dizer humildade), em nossos relacionamentos com nós mesmos, com nossos companheiros e com Deus.

Aqueles anseios adolescentes que tantos de nós experimentavam, por aprovação superior, segurança perfeita e romance perfeito – anseios muito adequados quando se tem dezessete anos – revelam-se uma forma de vida impossível quando temos quarenta e sete ou cinqüenta e sete anos.

Desde o início de A. A., passei por imensos percalços em todas as áreas, devido à minha incapacidade de crescer emocional e espiritualmente. Meu Deus, como foi doloroso tentar exigir o impossível e como doeu descobrir, finalmente, que havíamos colocado o carro adiante dos bois durante todo esse tempo! Veio então a agonia final de perceber o quão pavorosamente errados tínhamos sido, mas ainda assim nos descobrimos incapazes de pular fora do carrossel emocional.

Como traduzir uma convicção mental correta em um resultado emocional correto e, assim, numa vida fácil, boa e feliz – bem, esse problema não é só dos neuróticos; é o problema da própria vida para todos nós que chegamos ao ponto da real disposição para respeitar princípios corretos em todas as nossas atividades.

Mesmo assim, à medida em que talhávamos esses princípios, a paz e a alegria ainda nos fugiam. Foi a esse ponto que tantos veteranos de A. A. chegaram. E é um ponto infernal, literalmente. Como poderá nosso inconsciente – de onde ainda fluem tantos dos nossos temores, compulsões e falsas aspirações – ser alinhado com aquilo em que realmente acreditamos, sabemos e queremos? Como convencer o nosso obtuso, raivoso e oculto “Mr. Hyde”, converte-se em nossa tarefa principal.

Cheguei recentemente à conclusão de que isso pode ser conseguido. Acredito nisso porque comecei a encontrar muitas pessoas perdidas na escuridão – gente como você eu – começando a obter resultados. No último outono, uma depressão sem nenhuma causa racional quase me levou para o buraco. Comecei a temer que estivesse me encaminhando para outro longo período crônico. Considerando-se as aflições que sofri com os períodos de depressão, a perspectiva não era nada brilhante.

Eu continuava me perguntando: “Por que é que os Doze Passos não podem funcionar para aliviar a depressão?” Lembrava-me a toda hora da Oração de São Francisco… “É melhor consolar do que ser consolado”. A fórmula estava lá, tudo bem. Mas por que é que ela não funcionava?

Percebi subitamente qual era o problema. Minha falha básica sempre fora a dependência – a dependência quase absoluta – de pessoas ou circunstâncias que me alimentassem com prestígio, segurança e coisa assim. Não conseguindo obter essas coisas de acordo com meus sonhos e especificações perfeccionistas, eu havia lutado por elas. E quando veio a derrota, assim também veio minha depressão.

Não havia nenhuma possibilidade de converter o altruísta amor de São Francisco em uma forma de vida funcional e radiosa, até que essas dependências fatais e quase absolutas fossem eliminadas.

Uma vez que eu havia experimentado um pequeno desenvolvimento espiritual ao longo dos anos, a qualidade absoluta dessas dependências apavorantes nunca fora antes tão cruamente revelada. Reforçado por um pouco de Graça que podia garantir através da oração, constatei que tinha que despender cada grama de força de vontade e ação para romper essas dependências emocionais falhas em relação às pessoas, ao A. A. e, na verdade, em relação a qualquer conjunto de circunstâncias que fosse.

Só então eu poderia ser livre para amar como São Francisco havia amado. As satisfações emocionais e instintivas eram na realidade, como percebi, os dividendos extras de experimentar o amor, oferecer o amor e expressar o amor adequado a cada relacionamento na vida.

Falando francamente, eu não poderia me tornar disponível para receber o amor de Deus, até que fosse capaz de oferecê-lo de volta amando aos outros da forma que Ele me amava. E eu não poderia possivelmente fazer isso enquanto fosse vitimizado pelas falsas dependências.

Para mim, dependência significava exigência – a exigência da posse e do controle das pessoas e das condições que me rodeavam.

Embora as palavras “dependência absoluta” possam parecer um truque, foram elas que me ajudaram a iniciar minha libertação até meu presente grau de estabilidade e silêncio mental, qualidades que estou agora tentando consolidar oferecendo amor aos outros, independentemente do seu retorno.

Esse parece ser o circuito de restabelecimento primordial: um amor altruísta pela criação de Deus e pelos Seus filhos, através do qual nos tornamos receptivos ao amor d’Ele por nós. É da máxima clareza que o fluxo verdadeiro não poderá fluir até que nossas dependências paralisantes sejam rompidas, e rompidas em profundidade. Somente então poderemos possivelmente ter um lampejo daquilo que o amor adulto realmente é.

Cálculo espiritual, dirá você. Nada disso. Observe qualquer recém-chegado em A. A. há seis meses trabalhando em um novo caso de Décimo Segundo Passo. Se a “vítima” disser “Vá para o Diabo”, o Mensageiro apenas sorrirá e se dedicará a outro caso. Ele não se sentirá frustrado ou rejeitado. Se o caso seguinte se interessar e, por sua vez, começar a conceder amor e atenção a outros alcoólicos embora não conceda nada ao seu Padrinho, este estará contente de qualquer forma. Nem assim ele se sentirá rejeitado; ao invés disso, ele se alegrará pelo fato do primeiro membro abordado estar sóbrio e feliz. E se o seu caso seguinte acabar mais tarde se tornando seu melhor amigo (ou amor), então o Padrinho experimentará a alegria máxima. Mas ele saberá muito bem que essa felicidade é um produto colateral – o dividendo extra por haver se dado sem nada exigir em troca.

A coisa realmente estabilizante para ele será ter e oferecer amor àquele bêbado desconhecido na soleira da sua porta. Assim trabalhava São Francisco, poderoso e prático: menos dependência e menos exigência.

Nos seis primeiros meses da minha própria sobriedade, trabalhei exaustivamente com muitos alcoólicos. Não tive êxito com nenhum deles. Não obstante, esse trabalho manteve-me sóbrio. A questão não era aqueles alcoólicos me darem alguma coisa. Minha estabilidade veio da tentativa de dar e não de exigir recebimento.

É dessa forma portanto que acredito que a estabilidade emocional possa funcionar. Se examinarmos cada contratempo que nos aparece, grande ou pequeno, descobriremos na raiz dele alguma dependência doentia e sua conseqüente exigência doentia. Vamos abandonar continuamente, com a ajuda de Deus, essas dependências embaraçantes. Poderemos então nos libertar para viver com amor; poderemos então ser capazes de dar o Décimo Segundo Passo, em relação a nós mesmos e aos outros, a fim de alcançar a sobriedade emocional.

É claro que não ofereci a vocês nenhuma ideia realmente nova – apenas um truque que começou a desembaraçar alguns dos meus próprios “embruxamentos” em profundidade. Hoje em dia, meu cérebro não dispara mais compulsivamente para a exaltação, a grandiosidade ou a depressão. Consegui um lugar calmo sob o sol brilhante.

ORAÇÃO

Atribuída a São Francisco de Assis

“Ó Senhor!

Faze de mim um instrumento da Tua Paz;
Onde há ódio, faze que eu leve o Amor;
Onde há ofensa, que eu leve o Perdão;
Onde há discórdia, que eu leve a União;
Onde há dúvidas, que eu leve a Fé!
Onde há erros, que eu leve a Verdade;
Onde há desespero, que eu leve a Esperança;
Onde há tristeza, que eu leve a Alegria;
Onde há trevas, que eu leve a Luz!
Ó Mestre! Faze que eu procure menos
Ser consolado, do que consolar;
Ser compreendido, do que compreender;
Ser amado, do que amar…

Porquanto:

É dando que se recebe;
É perdoando, que se é perdoado;
E é morrendo que se vive para a Vida Eterna.

Amém”.

(Fonte: O melhor de Bill – paginas: 48 a 54)



UM MONUMENTO FEITO DE AMOR

Estive recentemente em Porto Alegre, por ocasião do XVI Seminário da Região Sul de A. A. e envio as impressões que tive a todos os amigos, que não estavam lá, mas que de alguma forma participaram.

No final do livro Dr. Bob e os Bons Veteranos esta escrito: “Dr. Bob foi enterrado exatamente como os outros sujeitos. Próximo a ele está Anne, como esteve durante tantos anos. Além de uma lápide simples, não há nenhum monumento”.

– Nenhum monumento?

Pois eu vi um pedacinho do monumento numa cidade do sul da América do Sul, muito abaixo do trópico de Capricórnio.

Vi um pedacinho do monumento nos companheiros que acompanhavam pela Internet, da Espanha, de Portugal, dos Estados Unidos, do Japão, além do Brasil todo.

Vi um pedacinho do monumento na companheira que, pelas suas 24 horas, atravessou o oceano e foi ajudar um desconhecido nas 24 horas dele, plantando a semente em Angola.

Vi um pedacinho do monumento nos companheiros que têm mais de três décadas de 24 horas, que começaram sem saber direito o que fazer, que erraram e acertaram, que brigaram e acreditaram, que já viram e ouviram de tudo, e estavam lá para provar que funciona.

Vi um pedacinho do monumento nas lágrimas e nos sorrisos partilhados entre os companheiros que se encontraram depois de longa data, nos companheiros que se viram um dia antes, nos companheiros que se conheceram pessoalmente depois de muita conversa virtual, nos companheiros que estavam iniciando a caminhada para sair da dor.

Vi um pedacinho do monumento em cada um dos quase mil companheiros que foram lá, levando suas esperanças, forças e experiências e que depois juntaram tudo numa única imensa e alegre celebração.

O monumento, meu irmão, é muito maior do que se pode enxergar, porque o milagre que se realiza é muito maior do que o milagre que se deseja.

Levei minhas 24 horas.

Grata ao Poder Superior por ser parte deste monumento feito de amor!

Beijo e mais 24 abençoadas horas, ainda numa condição de parva deslumbrada com as benesses de A. A..

(Fonte: Revista Vivência – 113-Mai./Junho.2008-Constance/S.J.dos Pinhais/Paraná)