A.A.®Orientações

Comitê de Finanças

De G.S.O., Box 459, Grand Central Station, New York, NY 10163
Os Guias são compilados a partir da experiência compartilhada dos membros de A.A. em várias áreas de serviço. Eles também refletem a orientação dada pelas Doze Tradições e pela Conferência de Serviços Gerais (Estados Unidos e Canadá). Mantendo nossa Tradição de Autonomia, exceto em assuntos que afetem outros grupos ou A.A. como um todo, a maior parte das decisões é tomada pela consciência coletiva do grupo envolvido. O propósito deste Guia é auxiliar para que se atinja de uma consciência de grupo informada.

"As atividades de A.A. baseadas no Décimo Segundo Passo, que levam a mensagem para aquele que ainda sofre, são a verdadeira essência da aventura de A.A. Sem essas atividades vitais, logo nos tornaríamos anêmicos, secaríamos e morreríamos.
Onde os serviços de A.A. – mundiais, de áreas, locais – se encaixam em nosso esquema? Por que deveríamos destinar dinheiro para essas funções? A resposta é simples. Cada serviço de A.A. destina-se a tornar possível, mais e melhor, o trabalho dos Doze Passos, seja por meio de um lugar para reunião de grupo, um escritório de serviços locais ou intergrupos, para conseguir hospitalização e apadrinhamento ou o Escritório Mundial de Serviços, para manter unidade e eficácia no mundo todo.
Apesar de não serem caras, essas unidades de serviço são absolutamente essenciais para nossa expansão contínua e para nossa sobrevivência como Irmandade. Seu custo é uma obrigação coletiva que recai sobre todos nós.
Nosso apoio aos serviços significa realmente nosso reconhecimento de que A.A. deve funcionar em todos os lugares com força total e que, de acordo com nossa Tradição de autossuficiência, vamos pagar a conta".

Bill W., Grapevine, outubro 1967

Uma das responsabilidades do G.S.O. é compartilhar a experiência de A.A. com grupos e membros que a solicitam. Neste Guia, temos o prazer de compartilhar experiências de fontes variadas, apesar de estarmos conscientes de que as práticas reais de A.A. variam frequentemente.

Assim, se seu grupo tiver encontrado soluções além daquelas citadas neste guia, por favor nos informem, para que possamos compartilhar suas experiências com outros.

Perguntas frequentes sobre finanças dirigidas ao Escritório de Serviços Gerais incluem tópicos como aluguel do grupo, contas bancárias e seguro; reembolso de despesas dos servidores; deduções do Imposto de Renda e número do cadastro fiscal e o papel da Junta de Serviços Gerais.

ONDE DINHEIRO E ESPIRITUALIDADE SE MISTURAM

Membros comemoram a sobriedade destinando tempo, energia e dinheiro em apoio de nosso Décimo Segundo Passo – levar a mensagem, o serviço básico que a Irmandade de A.A. oferece. Membros asseguram que as contas do grupo sejam pagas colocando dinheiro na sacola passada em cada reunião. É responsabilidade de cada membro sustentar os serviços que tenham sido

solicitados pela Irmandade de A.A. para ajudar a facilitar o vital Décimo Segundo Passo. As contribuições são feitas com um espírito de sacrifício e honram o código de A.A. de 'amor e serviço'. Elas também acentuam a natureza espiritual de nossa Irmandade e nosso amor e confiança mútuos. Aprendemos que essas contribuições são tão importantes para cada membro quanto para os órgãos de serviço custeados.

CUSTEANDO A ESTRUTURA DE A.A.

Pergunta: Por que os grupos de A.A. custeiam os serviços essenciais de A.A.?

Resposta: Porque os serviços beneficiam todos os grupos de A.A. Nossa Sétima Tradição diz que "todos os grupos de A.A. devem ser totalmente autossuficientes, dispensando contribuições externas".

AAs querem que nossa Irmandade sobreviva e esteja facilmente acessível para o alcoólico que ainda sofre. Um grupo de A.A. torna isso possível cuidando de suas despesas: aluguel, café, água, literatura de A.A., etc. Depois de atender esse grupo básico de despesas e oferecer um local para reunião, muitos grupos participam custeando o escritório de serviços locais ou intergrupais, os comitês de serviços gerais da área ou distrito e a Junta de Serviços Gerais.

Pergunta: Como os grupos podem participar?

Resposta: Para ajudar a custear os serviços essenciais de A.A., a Conferência de Serviços Gerais sugere que cada grupo, por meio de uma consciência coletiva informada, adote um plano de contribuição para atender a situação financeira do grupo. Uma vez que as despesas básicas do grupo estejam atendidas (aluguel, café, água, literatura de A.A., relação de reuniões locais) e uma 'reserva prudente' tenha sido providenciada para cobrir despesas inesperadas, o grupo pode decidir levar a mensagem adiante, enviando recursos para os seguintes órgãos de serviço de A.A.:
-O Distrito local que se comunica diretamente com os grupos, formando a consciência coletiva do distrito para as assembleias de áreas e servindo como elo entre os delegados de área e os RSGs.
-O Comitê de Área, que coordena as atividades vitais de A.A. em uma ampla área geográfica, envia um delegado para a Conferência de Serviços Gerais, anual, realiza assembleias de área para determinar as necessidades da Irmandade e fornece informações no âmbito de serviços.
-O Escritório de Serviços Locais, que pode fornecer: plantão telefônico para chamadas referentes ao Décimo Segundo Passo e outras solicitações; coordenação das atividades de grupo; venda de literatura de A.A.; trabalho institucional; informação pública e cooperação com a comunidade profissional.
-O Escritório de Serviços Gerais, que funciona como uma central das informações de A.A., comunicando-se com membros e grupos nos Estados Unidos, Canadá e, às vezes, no mundo; publica a literatura de A.A. e fornece informações e experiência a profissionais e outros interessados em A.A.

Pergunta: O dinheiro de A.A. não vai todo para uma sacola? Em outras palavras, quando um grupo contribui para o escritório de serviços locais (intergrupos), nosso dinheiro não é distribuído para a área, distrito e Junta de Serviços Gerais, para as operações do ESG?

Resposta: Cada entidade de A.A. – grupo, distrito, área, escritório de serviços locais ou intergrupos e o ESG – oferece um serviço específico e é autônoma. Contribuições separadas precisam ser enviadas para cada entidade. (Nota: alguns órgãos locais de A.A. repassam para o ESG. uma parte das contribuições que recebem).

Pergunta: Então, como os grupos dividem seus fundos excedentes? 

Resposta: As linhas gerais para planos de contribuição estão descritas no folheto "Autossuficiência: Onde Dinheiro e Espiritualidade se Misturam". Cada grupo decide com base em sua consciência coletiva. Para sugestão de planos de contribuição, ver final deste texto.

Pergunta: Depois de cobrir as despesas de nosso grupo ficamos com pouco dinheiro. Não é constrangedor enviar apenas trocados?

Resposta: A Conferência de Serviços Gerais já enfatizou que não está preocupada com o valor que cada grupo contribui, mas, sim, que o grupo contribua com alguma coisa. Em uma assembleia de serviço um RSG disse: "É uma obrigação espiritual participar com uma contribuição".

Pergunta: Como ficamos sabendo que o ESG recebeu nossa contribuição e creditou nosso grupo?

Resposta: Todas as contribuições de grupo são confirmadas por um recibo computadorizado enviado à pessoa indicada em seu envelope de contribuição ou para o RSG, se um nome e endereço não tiverem sido indicados. Demonstrativos trimestrais são enviados para o RSGs de cada grupo. Esses demonstrativos mostram informações acumuladas para o ano, tenha ou não o grupo contribuído.

Pergunta: Nosso grupo gostaria de contribuir para esses vários órgãos de serviço, mas não sabemos para onde enviar nosso cheque. Onde encontro endereço para correspondência?

Resposta: Se houver um escritório de serviços locais ou intergrupos em sua comunidade, ele estará na lista de endereços. (Se seu grupo ainda não tem um representante e serviços Gerais (RSG), considere eleger um). O RSG de seu grupo provavelmente tem o endereço dos comitês de área e de distrito.
Caso contrário, ligue para o ESG para informação - (11) 3229-3611.

Pergunta: É possível fazer contribuição online?

Resposta: Membros de A.A. podem fazer contribuições online no site oficial de A.A. www.alcoolicosanonimos.org.br.Essas contribuições podem ser feitas através de boleto e pagas na rede bancária.
Embora o site de contribuições online seja protegido por criptografia avançada, o ESG sugere que membros usem o sistema a partir de um computador pessoal, de sua propriedade ou sobre o qual tenha completo controle, pois fornece informações pessoais ou financeiras em computador compartilhado ou público pode oferecer risco. Sugerimos, portanto, que membros que usem computador em bibliotecas, centros de negócios de hotéis, cybercafés e mesmo no local de trabalho ou computadores de amigos ou conhecidos continuem a fazer suas contribuições pelos métodos tradicionais - telefone ou correio.

PERGUNTAS FREQUENTES

Pergunta: Nosso tesoureiro simplesmente fugiu com nosso dinheiro. O que devemos fazer?

Resposta: Esse tipo de coisa, embora raro, infelizmente acontece. Apesar de uma ação legal ser uma opção, a maioria dos grupos a evita. Em alguns casos, a pessoa que roubou o dinheiro vai reaparecer e devolvê-lo. Quer isso aconteça ou não, alguns grupos acharam útil ter uma reunião da consciência coletiva para rever a forma como as finanças do grupo estão sendo administradas. Alguns exemplos de questões para essa reunião: O grupo fez uma boa seleção do membro tesoureiro? O tesoureiro é ajudado a entender sua responsabilidade conforme sugerido nos folhetos "O Grupo de A.A.", "Autossuficiência: Onde Dinheiro e Espiritualidade se Misturam" e o guia de serviço "Tesoureiro do Grupo de A.A."? O tesoureiro está sendo responsabilizado pelo envio de relatórios financeiros regulares e os registros do tesoureiro estão disponíveis para análise nas reuniões de serviço? O grupo está acumulando recursos excedentes?

Pergunta: Nosso grupo está planejando uma festa para comemorar seu aniversário. Podemos usar os recursos da Sétima Tradição para pagar a decoração e comida?

Resposta: A maioria dos membros entende que as contribuições para a Sétima Tradição serão usadas para pagar as despesas do grupo e o trabalho relacionado ao Décimo Segundo Passo. Festas de aniversário do grupo, apesar de serem consideradas tradicionais e úteis por muitos AAs, em geral não são vistas como trabalho relacionado ao Décimo Segundo Passo. Alguns grupos pedem que seus membros contribuam separadamente para cobrir a comemoração. Outros escolhem passar uma segunda sacola. É uma questão para o grupo decidir e nenhum desses caminhos pareceria conflitar com a tradição de autossuficiência.

Pergunta: Nosso grupo pode aceitar doações de negócios locais ou outras pessoas ou organizações que não sejam membros? Nosso grupo pode fazer uma doação para um abrigo para pessoas sem moradia, unidade de tratamento, etc.?

Resposta: Alcoólicos Anônimos não aceita contribuições externas. De acordo com a Sexta Tradição, A.A. não faz contribuições para organizações ou causas externas, independentemente de seu mérito.

Pergunta: Se o local onde o grupo de A.A. se reúne não pode aceitar aluguel (ex. dependência estadual ou federal), o que pode ser feito de acordo com nossa tradição de autossuficiência?

Resposta: O grupo pode contribuir de outra maneira. Por exemplo, poderia fornecer equipamento ou mobília para a dependência ou ajudar na manutenção.

Pergunta: É responsabilidade do nosso grupo reembolsar servidores por suas despesas?

Resposta: Cada grupo, distrito, área ou comitê de serviço é autônomo e tem diferentes necessidades e recursos. Embora dependa da consciência coletiva, muitos membros de A.A. parecem concordar que ninguém deve ser excluído do serviço por questões financeiras. Algumas despesas dos servidores saem de seus próprios bolsos, enquanto outras são reembolsadas. Em áreas que realizem assembleias de dois ou três dias as despesas dos participantes
(RSG, MCD, etc.) são, às vezes, cobertas por contribuição dos grupos. As despesas dos coordenadores de área normalmente são cobertas pela tesouraria da área. O Manual de Serviço de A.A. contém informações sobre este assunto.

CONTAS BANCÁRIAS E CNPJ
(Aplicável apenas à estrutura dos Estados Unidos)

Pergunta: Nosso grupo precisa abrir uma conta bancária e nos pediram um número de identidade fiscal (equivalente ao CNPJ brasileiro). Podemos usar o número do ESG?

Resposta: Não. Cada vez com maior frequência, os grupos de A.A. nos Estados Unidos têm recebido pedido de apresentação de uma identificação fiscal quando abre uma conta corrente ou poupança, que receba ou não juros. Nenhuma organização local de A.A. pode usar a condição de isento do General Service Board of Alcoholic Anonymous, Inc., uma vez que cada entidade é autônoma em questões financeiras, assim como em outras questões. Órgão de Serviço locais devem obter sua própria condição de isentas e uma identidade fiscal.

Pergunta: Como podemos obter uma identidade fiscal para a conta corrente de nosso grupo? E sobre impostos locais/Estaduais?

Resposta: O ESG não está, de modo algum, tentando dar aconselhamento fiscal para grupos ou outros órgãos de A.A. Estamos apenas tentando informá- los sobre várias alterações na lei fiscal que vocês podem discutir com contadores ou especialistas tributários locais. As informações seguintes se aplicam aos Estados Unidos.
Estas são algumas das perguntas que temos recebido recentemente:
- Ouvi dizer que as leis mudaram e nosso grupo está automaticamente isento de imposto;
- Ouvi que nosso grupo deveria estar apresentando uma carta postal em vez de declaração de renda;
- Ouvi que, como não temos apresentado a carta postal e se passaram três anos, não somos automaticamente isentos de imposto;
- Ouvi dizer que as contribuições para meu grupo são (ou não são) dedutíveis porque apresentamos (ou não) as cartas postais;
- Meu grupo não quer gastar tempo e dinheiro para cumprir as novas regras;
- Meu grupo não recebe dinheiro suficiente para nos preocuparmos com as regras.

Pergunta: Posso deduzir as contribuições para meu grupo?

Resposta: A menos que seu grupo seja formalmente isento – o que significa ter cumprido todo o processo de isenção, apresentando documentos e pagando as taxas devidas -, as contribuições para seu grupo não são dedutíveis em sua declaração de renda pessoal. Se o pedido de isenção não foi apresentado, os doadores não podem deduzir contribuições para uma organização que deveria se candidatar a isenção, mas não o fez (página 20, capítulo 3, seção 501(c)3
Organizações). Se os recebimentos anuais de seu grupo estiverem abaixo de US$ 5.000, não é necessário pleitear a isenção. Porém, se a Receita Federal (IRS) não tiver registro do grupo (isto é, se o grupo não se cadastrou voluntariamente para o programa 990-N), então não parece lógico que as contribuições possam ser deduzidas.

Pergunta: As deduções para o ESG - Nova Iorque são dedutíveis?

Resposta: Sim. O General Service Board New York está listado como uma organização isenta, capaz de receber contribuições, com base no capítulo
501(c)3 do Regulamento do Imposto de Renda. Todos os requerimentos foram apresentados e o G.S.B. foi aprovado pela Receita Federal como organização isenta, capaz de receber contribuições. A organização emprega contadores, é auditada anualmente por contadores públicos e apresenta declarações de renda à Receita Federal, as quais estão disponíveis para consulta pública.

Pergunta: As contribuições para meu escritório intergrupos ou área são dedutíveis?

Resposta: Não se pode generalizar sobre órgãos locais. Você deve consultar se elas receberam confirmação da Receita Federal de que são isentas.

Pergunta: O que os grupos usam como contrato social ou estatuto? Nosso grupo não é formalmente organizado e parece que a Receita Federal ou os bancos exigem essa informação. O que devemos fazer?

Resposta: A Receita Federal exige documentos de organização. Entendemos que, em algumas vezes, alguns grupos ou outros órgãos de A.A. usaram a forma reduzida das Tradições como documentos reguladores.

Pergunta: O que devo fazer se meu grupo recebe acima de US$ 5.000, mas não acha importante apresentar a documentação adequada?

Resposta: Em uma reunião de serv9ços, tente ter uma discussão que explique que, como bons membros da sociedade, o grupo deveria ser suficientemente maduro para cumprir a legislação adequada.

Pergunta: Por que essas regras mudaram e por que devemos atender?

Resposta: As regras fiscais estão sempre evoluindo e provavelmente continuarão assim. Organizações não lucrativas (principalmente assistenciais) têm recebido muita atenção nos últimos anos, em parte porque algumas organizações abusaram das regras e estavam operando para beneficiar certas pessoas que as controlavam. Além disso, o benefício de deduzir doações significa que o governo federal tem muito interesse em que as organizações assistenciais sejam formadas, operadas e dissolvidas de maneira adequada e legal.
(Extraído da publicação 557 do IRS, pág. 22 (outubro 2010) – aplica-se aos Estados Unidos.)

SEGURO

Pergunta: Nosso locador pediu que fizéssemos nosso próprio seguro. O ESG pode ajudar?

Resposta: Não. O seguro de responsabilidade do ESG não pode ser estendido para cobrir grupos locais. Os grupos de A.A. são autônomos e não subsidiárias do ESG. Alguns grupos cooperam com o local onde se reúnem adquirindo uma extensão para a apólice do local. O grupo deve consultar um corretor de seguro ou advogado sobre estas questões.
.
AS FINANÇAS DO ESG

Pergunta: Quem administra as contribuições feitas para a JUNAAB?

Resposta: A Junta de Serviços Gerais de Alcoólicos Anônimos é a custodiante de todas as contribuições. O Comitê de Finanças e Orçamento da JUNAAB se reúne trimestralmente para analisar e aprovar o orçamento e demonstrativos financeiros do ESG. O processo orçamentário do ESG é de responsabilidade do Comitê de Finanças e Orçamento, que supervisiona o orçamento anual, o qual é revisto pelo gerente geral antes de ser apresentado para o Comitê de Finanças e Orçamento da JUNAAB.

Pergunta: O que é o Fundo Geral?

Resposta: As contribuições dos grupos membros de A.A. para o ESG compõem o Fundo Geral, administrado pelo ESG e que não aceita contribuições para projetos ou serviços específicos.

Pergunta: O que é o Fundo de Reserva?

Resposta: É uma reserva que tem como principal objetivo prover os recursos financeiros para a continuidade dos serviços essenciais do ESG e do A.A. Grapevine por até um ano em caso de redução inesperada e substancial das receitas normais da organização.

Pergunta: Como os serviços do ESG são custeados?

Resposta: Aproximadamente 70% do custeio dos serviços do ESG provêm de contribuições dos grupos, do Plano de Aniversário, contribuição de escritórios locais, distritos/áreas e saldos de eventos ou conferências de A.A. O restante resulta do lucro na venda de literatura de A.A. (informação relativa à estrutura dos Estados Unidos. Informações sobre a estrutura brasileira verificar demonstrativos financeiros na Área restrita do site oficial de A.A.)

Pergunta: Há um limite de contribuição de um membro para o ESG?

Resposta: Sim. O limite é de US$ 3.000/ano.

Pergunta: As pessoas podem deixar dinheiro para o ESG em seus testamentos?

Resposta: Doações em testamentos são aceitáveis somente de membros de A.A., no valor máximo de US$ 5.000, uma única vez – não perpetuamente. (aplicável à estrutura dos Estados Unidos)

Pergunta: Pode um não-membro de A.A. fazer uma contribuição para oESG em memória de um membro que tenha falecido?

Resposta: Embora o ESG valorize profundamente essas ofertas, devolvemos cheques – sejam em memória ou não – de qualquer não-membro. A.A. não aceita contribuição de não-membros. Quando recebemos uma contribuição em memória, devolvemos o cheque informando a pessoa de nossa tradição de autossuficiência. O ESG explica para não-membros aquela que pode ser uma das mais surpreendentes tradições de nossa Irmandade.

Pergunta: Há limite para o valor que um grupo ou evento de A.A. pode contribuir para o ESG?

Resposta: Não.

Pergunta: O ESG aceita contribuição via cartão de crédito?

Resposta: Sim. (Aplicável á estrutura dos Estados Unidos)

Pergunta: Sempre ouço sobre o Plano de Aniversário. O que é?

Resposta: A Conferência de Serviços Gerias de 1955 aprovou o Plano de Aniversário, pelo qual alguns membros da Irmandade mandam um dólar para cada ano de sobriedade que têm em A.A. Outros usam US$3.65, um centavo por dia, para cada ano. Alguns dão mais, mas o valor não pode exceder US$
3.000 em cada ano.

Pergunta: O que é Mês da Gratidão?

Resposta: Muitos grupos escolherem novembro como um momento especial para agradecer pelo programa de A.A. Em 1970, como extensão do Plano de Aniversário, a Conferência Geral de Serviço recomendou que comitês de área e estaduais suplementem as contribuições regulares dos grupos patrocinando o Mês da Gratidão".
Para maiores informações sobre finanças podem ser consultados:
"O Tesoureiro do Grupo de A.A."
"Autossuficiência: Onde Dinheiro e Espiritualidade se Misturam" "O Grupo A.A."
"Doze Tradições Ilustradas"
"A Tradição de A.A. – Como se Desenvolveu"
Relatório Final da Conferência (Demonstrativos Financeiros) Manual de Serviço de A.A./Doze Conceitos para Serviço Mundial

Exemplos de Contribuições de Grupos para os Órgãos de Serviço de A.A.

Plano de Distribuição do Grupo ____________________
Número de Registro do Grupo  _____________________
(Aplica-se à estrutura Estados Unidos somente)

Para ser determinado pelo Grupo:

% para o comitê de área
% para o ESG – Escritório de Serviços Gerais

% para o escritório serviços locais ou intergrupais
% para outros órgãos de serviço de A.A.
% para outros órgãos de serviço de A.A.

OU
10% para o distrito
10% para o comitê de área
30% para o ESG – Escritório de Serviços Gerais
50% para escritório serviços locais ou intergrupais

OU
Se você não tiver escritório de serviços locais ou intergrupais
40% para o distrito
30% para a área
30% para ESG – Escritório de Serviços Gerais

Extraído do livreto: "Autossuficiência – onde o dinheiro e a espiritualidade se misturam"

para Membros de A.A.
 
 
 
para SERVIDORES de A.A.